Nota sobre Estreptococos B e gravidez

Nos países mais desenvolvidos, o Streptococcus betahemolítico do grupo B (SGB), uma bactéria de Gram positivo, é a principal causa de meningite (infecção do fluído e revestimento cerebral) e sépsis (septicémia; infecção do sangue) no recém-nascido na primeira semana de vida.

Cerca de 25% das mulheres grávidas são portadoras de SGB na vagina e/ou recto. Estas bactérias podem aparecer e desaparecer do organismo humano sem que as pessoas tenham especiais sintomas, i.e. a mulher pode, em grande parte dos casos não ter qualquer sintoma associado.

A maioria dos protocolos internacionais recomendam que todas as grávidas sejam testadas para a presença de SGB entre as 35 e 37 semanas de gravidez. Nos nossos serviços, recomendamos e efectuamos a detecção de SGB por cultura em meios de cultura adequados em todas a grávidas.

Calcula-se que uma mulher grávida que seja positiva para SGB e seja medicada com antibióticos durante o parto tem uma probabilidade de 1:4.000 de dar à luz um recém-nascido infectado por SGB, enquanto se não o fizer o risco é de 1:200.

Todas as grávidas com antecedentes de doença por SGB ou infecção urinária durante a gravidez causada por SGB devem receber antibioterapia específica durante o parto.

A maioria das infecções do recém-nascido são prevenidas pela administração de antibióticos intravenosos à grávida durante o parto. Não vale a pena administrar estes antibióticos mais cedo, porque a bactéria pode recolonizar a grávida rapidamente.

Outras fontes para consulta:

http://www.cdc.gov/groupbstrep/about/

http://brasil.babycenter.com/a5700019/exame-para-estreptococo-na-gravidez